Produção de móveis escolares no Amazonas já alcançou R$ 22 milhões


A produção de carteiras escolares no polo moveleiro do Amazonas deve alcançar 60 mil unidades até o final do ano, com aumento de 300% em relação a 2005, ano em que Programa de Regionalização de Mobiliário Escolar (Promove), do Governo do Amazonas, foi criado. No total, o programa gera renda para cerca de 2.500 famílias e já movimentou R$ 22 milhões em pouco mais de cinco anos. Para melhorar ainda mais o desempenho do segmento, o Governo Estadual inicia, nesta quinta-feira (29), um novo curso de capacitação para moveleiros. 

O curso, lançado em Parintins (a 369 quilômetros de Manaus) na quarta-feira (28), visa padronizar a qualidade e o modelo dos móveis comprados para a escolas públicas do Estado. É realizado em parceria entre o Centro de Educação Tecnológica do Amazonas (Cetam), a Agência de Desenvolvimento Sustentável (ADS) e as Secretarias de Estado de Educação (Seduc) e do Trabalho (Setrab). A qualificação é uma das diretrizes da administração Omar Aziz para abrir novas oportunidades de emprego e renda para a população do Estado.

“Esse avanço quantitativo, como resultado do Promove, exige que haja qualificação profissional para a melhoria e conforto das carteiras utilizadas pelos estudantes de instituições públicas”, disse o diretor de Negócios Florestais da ADS, Fernando Guimarães, durante o lançamento do curso de capacitação.

Executado pelo Cetam, o curso tem duração de uma semana e será estendido a mais 14 municípios do Estado com polo de movelaria sustentável. A meta é capacitar 450 trabalhadores até o dia 24 de outubro. “A ideia é estabelecer um modelo padrão de qualidade em todo o Amazonas. Com algumas técnicas, vamos ensinar como produzir um material confortável e de alta durabilidade”, comentou o instrutor do Cetam, Jessé Sicsu. Além de Parintins, o curso será oferecido em Manacapuru, Itacoatiara, Carauari, Eirunepé, Manicoré, Apuí, Humaitá, Lábrea, Boa Vista do Ramos, Tefé, Borba, Rio Preto da Eva, Envira e Manaus.

De acordo com o gerente de Operações da Seduc, Luiz Fonseca, além das carteiras, o Governo do Estado firmou com as cooperativas e associações moveleiras contrato de aquisição de armários, quadro branco e mesas para  alunos e professores.   “A proposta do governador Omar Aziz é regionalizar ao máximo os móveis que hoje são comprados de outros estados brasileiros. Além de valorizar o trabalhador amazonense, o produto regional gerou uma economia significativa aos cofres da Seduc”, avaliou Fonseca.

Sustentabilidade 
O Instituto de Desenvolvimento Agropecuário e Florestal Sustentável do Estado do Amazonas (Idam) garantiu que toda madeira utilizada na produção de móveis escolares são de manejo florestal. O órgão oferece apoio aos pequenos e médios moveleiros na regularização da atividade. “Nossa tarefa é orientar e incentivar os pequenos e médios moveleiros sobre manejo sustentável. Além de fiscalizar a atividade irregular, oferecemos o suporte necessário para o pequeno produtor, os quais normalmente tendem a trabalhar na informalidade”, frisou o coordenador do Departamento de Floresta do Idam, Janderley Gadelha. “Desde 2007 entramos em parceria com o Promove para garantir que nenhuma cadeira comprada pelo Governo do Estado foi produzida com madeira de lei”, informou. 

Fonte: Ooutroladodamoeda

Nenhum comentário